Clique Vestibular

SALA DE ESTUDOS

Barroco

Aprenda sobre Barroco

Movimento artístico-cultural entre o final do séc. 16 e a metade do séc. 18. Teve êxito na música, nas artes plásticas e na literatura.

Também integra a Era clássica (Classicismo, Barroco e Arcadismo), mas representa um desvio da orientação clássica, já que procura fundir a experiência renascentista ao reavivamento da fé cristã medieval. É a expressão da crise espiritual vivida pelo homem do séc. 17.

Era uma arte popular, contudo da aristocracia (nobreza e alto clero) provinha os artistas ou os mecenas que financiavam os artistas.  Luxuosidade e pompa, cultismo e conceptismo.

– Cultismo – tendência de efeito sensorial na linguagem: cor, forma, cheiro, sonoridade, isto é, recursos que sugeriam a superação dos limites da realidade.

– Conceptismo – tendência que explora o extrato de significação das palavras, tais como, ambigüidade, jogo de palavras e de raciocínios, agudezas e sutilezas de pensamentos, alegorias, etc.

Cultismo – melhor na poesia, e conceptismo na prosa. Ou as duas no mesmo estilo.

Contraditória como a mentalidade do séc. 17, pois é fruto de duas concepções distintas da vida e do mundo: a medieval e a renascentista.

– política – centralização total (Absolutismo) do poder para os reis, que se considerava o representante de Deus na Terra.

– econômico – Revolução Comercial, cuja política econômica era o mercantilismo, que se baseava no metalismo, na balança de comércio favorável e no acúmulo de capitais.

– sociedade – 3 camadas sociais: clero, nobreza e o 3º Estado – este formado pela burguesia, artesãos e camponeses.

– espiritual – O séc. 17 é marcado pelo reflexo das crises religiosas do séc. anterior: a Reforma (1517) e a Contra-Reforma (1563).

A Reforma representa a cisão da Igreja Cristã, que dá origem ao Protestantismo e a uma verdadeira revolução religiosa na Europa. A Contra-Reforma, é uma reação da Igreja Católica, que visa combater a expansão do Protestantismo e recuperar as áreas de domínio protestante.

Características: gosto pelas contradições e idéias opostas.

Politicamente o homem da Idade Média sentia-se reprimido, mas economicamente sentia-se livre para enriquecer, apesar da possibilidade da ascensão econômica, ele não poderia ter ascensão social. Espiritualmente, ao mesmo tempo que a Revol. Comercial e o mercantilismo proporciona riquezas, a Contra-Reforma estimula a vida espiritual simples.

Temas: que refletem estados de tensão da alma: vida e morte, matéria e espírito, amor platônico e

As sugestões sensoriais traduzem a inclinação fantasiosa e contraditória do homem barroco.

RENASCIMENTO

BARROCO

1) Linear, sentida pela mão.

1) Pictórica, seguida pela vista.

2) Composta em plano, de jeito a ser sentida.

2) Composta em profundidade, de jeito a ser seguida.

3) Partes coordenadas de igual valor.

3) Partes subordinadas a um conjunto.

4) Fechada, deixando fora o observador

4) Aberta, colocando dentro o observador.

5) Claridade absoluta.

5) Claridade relativa

Ê BARROCO NO BRASIL

 Tradicionalmente seu marco inicial é a publicação do épico Prosopopéia (1601), de Bento Teixeira, um poema feito à cópia de Os Lusíadas, sem qualquer valor literário hoje.

A literatura Brasileira estava muito ligada à Portuguesa, por isso não atribui-se ao Brasil um Barroco, apenas “ecos do Barroco’, devido sua condição de colônia,  a não existência de um público leitor ativo e influente, grupos de escritores atuantes, vida cultural rica e abundante, sentimento de nacionalidade, imprensa, gráficas e liberdade de expressão.

Somente na segunda metade do séc. 18, com a fundação de cidades e centros comerciais ligados à extração de ouro, em MG e o surgimento de escritores comprometidos com as causas políticas de independência (Inconfidência Mineira) é que se criaram condições necessárias para a formação de uma literatura brasileira, porém só no séc. 19 com a independência política de 1822 e a dinamização da vida cultural é que tal fenômeno se verificará.

Escritores barrocos que se destacaram no Brasil foram:

Poesia ê Gregório de Matos, Bento Teixeira, Botelho de Oliveira e Frei Itaparica.

Prosa  ê Pe. Antônio Vieira, Sebastião da Rocha Pita e Nuno Marques Pereira.

Gregório de Matos – poeta baiano, foi o principal, além de desenvolver a lírica amorosa e religiosa dos modelos europeus, criou uma poesia voltada para a crítica à sociedade, fundando a tradição satírica na poesia brasileira.  Foi conhecido como “O Boca do Inferno”, chegou a ser no séc. 18 um dos precursores da poesia moderna do séc. 20.

Na poesia lírica, religiosa, a amorosa e a filosófica. Na amorosa, percebe-se o dualismo amor carnal/espiritual, personificado pela mulher, misto de anjo idealizado e de demônio sedutor.

– O barroco manteve profundas ligações com o movimento de restauração da Igreja – a Contra-Reforma.

Pe. Antônio Vieira – Português de origem, no Brasil estudou com os jesuítas, foi preso pela Inquisição, acusado de ligações heréticas com o sebastianismo ( mito português nascido em torno do desaparecimento do rei D. Sebastião, na guerra de Alcácer-Quibir) e de defender os cristãos novos.

Cristão novos – judeus convertidos ao cristianismo por medo das perseguições.