Clique Vestibular

SALA DE ESTUDOS

Cubismo

Entenda o Cubismo
Em 1908, o artista Braque expôs seus quadros em Paris. Numa de suas telas apareciam telhados que se fundiam com árvores, dando a sensação de cubos. O pintor Matisse teria expressado nesta oportunidade, que se tratava de “caprichos” cúbicos. Dizem que deriva daí a denominação Cubismo.

O Cubismo apresentou três fases. Na primeira, o francês Cézanne (1839 – 1906) reduziu a natureza à formas geométricas, como se fossem esferas, cones e cilindros. A partir de então, recriar a realidade não mais se faria segundo impressões captadas pelos sentidos. Que tal apreciar a tela Madame Cézanne? Ela faz parte do acervo do MASP, localizado na Avenida Paulista em São Paulo.

Na segunda fase, o cubismo analítico tem em Pablo Picasso ( 1881 – 1973) seu maior expoente. Sua característica marcante é a decomposição dos seres de modo a tornar irreconhecível a figura, sempre usando as formas geométricas. O painel Guernica (1937) — que representa o bombardeio nazista a essa cidade espanhola — merece sua apreciação.

 

Guernica (1937), de Picasso. Dimenssões: 349 cm x 777 cm. “Este quadro ficou em Nova York, desde o começo dos anos 40, pois segundo a vontade de Picasso ele só deveria voltar à Espanha após o fim da ditadura de Franco, responsável pelos bombardeios da aldeia de Guernica. Isto só ocorreu em 1981. Hoje Guernica se encontra numa sala especial do Museu do Prado, em Madri.” (PROENÇA, Graça. História da Arte. São Paulo, Ática, 1991, p. 157).
Na última fase, o cubismo sintético, os artistas usam pedaços de madeira, vidro, metal e outros materiais para compor seus trabalhos. Como exemplo desta fase podemos citar a tela A mesa do músico do pintor Georges Braque (1882 – 1963).
 

Algumas características do Cubismo

  • utilização das formas geométricas para representar as figuras, não se obedece os princípios clássicos de representação dos objetos tais como são vistos;
  • destruição da harmonia das cores e formas;
  • decomposição das figuras ao extremo abandonando a aparência real das coisas;
  • apresentação dos objetos com todas as suas partes num mesmo plano;
  • a preocupação não é o que se representa, mas como se representa;
  • o objeto pintado é fruto de uma decomposição e de uma recomposição do objeto feita pelo artista.

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS