Clique Vestibular

SALA DE ESTUDOS

Introdução: Uma Visão Geral da Célula

As células são unidades estruturais e funcionais dos organismos

Foto: https://sites.google.com/site/estudosobreascelulas/partes-da-celu

As células são unidades estruturais e funcionais dos organismos vivos ou seja , todos os seres vivos são formados por células – compartimentos envolvidos por membrana, preenchidos com uma solução aquosa concentrada de substâncias químicas. As formas mais simples de vida são células individualizadas que se propagam por cissiparidade.

Há muitos tipos diferentes de células, que variam enormemente em tamanho, forma e funções especializadas.

Os organismos superiores, como os humanos (acredita-se que contenha pelo menos 100 trilhõesde células), são como cidades celulares, nas quais grupos de células performam tarefas especializadas e são ligadas por um intrincado sistema de comunicação.

Num punhado de solo ou numa xícara de água poderá haver dúzias de diferentes tipos de organismos unicelulares. E, em cada organismo multicelular seja ele o corpo humano ou a planta de milho, há dúzia ou centenas de diferentes tipos celulares, todos altamente especializados funcionando juntos na forma de tecidos e orgãos. E, não importa quão grande e complexo seja o organismo, cada um dos seus tipos celulares retém alguma individualidade e independência.

Apesar das muitas diferenças visíveis, várias espécies de células são admiravelmente semelhantes nas suas características estruturais básicas.

As células são pequenas e complexas, o que torna difícil ver suas estruturas, descobrir sua composição molecular e, mais difícil ainda, encontrar funções para seus vários componentes.

Uma célula animal típica tem um diâmetro de 10 a 20 micrômetros, o que é aproximadamente 5 vezes menor que a menor partícula visível a olho nu. Somente quando microscópios ópticos de boa qualidade tornaram-se disponíveis, no início do século XIX pode-se descobrir que tecido animais e vegetais são agregados de células individuais. Esta descoberta, proposta como a doutrina celular por SCHLEIDEN E SCHWANN, em 1838, marca o nascimento formal da biologia celular.

Células aminais não são apenas minúsculas, mas também incolores e translúcidas e para visualizá-las é importante o desenvolvimento de técnicas de microscopia.

Algumas descobertas importantes na história da microscopia óptica.

1611 – Kepler sugere maneiras para a construção de um microscópio composto.
1655 – Hooke utiliza o microscópio composto para descrever pequenos poros em secções de rolhas, que chamou de “células”.
1674 – Lecuwenhoek comunica a descoberta de protozoários. Visualiza uma bactéria pela primeira vez nove anos mais tarde. 1833 – Brown publica suas observações microscópicas de orquídeas descrevendo claramente o núcleo da célula.
1838 – Schleiden e Schwann propõem a teoria celular, afirmando que a célula nucleada é a unidade da estrutura e função em plantas e em animals.
1857 – Kolliker descreve a mitocôndria em células de músculo.
1876 – Abbé analisa os efeitos da difração na formação da imagem e mostra como melhorar a construção do microscópio.
1879
 – Flemming descreve com muita clareza o comportamento dos cromossomos durante a mitose em células animais.
1881 – Retzius descreve tecidos animais com um nível de detalhamento até então não obtido por nenhum outro microscopista óptico. Na duas décadas seguintes ele, Cajal, e outros histologistas desenvolveram métodos de coloração e lançaram os fundamentos da anatomia microscópica.
1882 – Koch utilize aniline para corar microrganismos e identificar as bactérias causadoras da tuberculose e da cólera. Nas duas décadas seguintes outros bacteriologistas, como Klebs e Pasteur, identificam os agentes causais de muitas outras doenças, através do exame de preparações coradas ao microscópio.
1886 – Zeiss constrói uma série de lentes, para o projeto proposto por Abbé, que permite aos microscopistas revelar estruturas nos limites teóricos da luz visível.
1898 – Golgi visualiza pela primeira vez e descreve o aparelho de Golgi através da coloração das células com nitrato de prata.
1924
 – Lacassagne e colaboradores desenvolvem método auto-radiográfico para localizar polônio radioativo em amostras biológicas.
1930 – Lebedeff projeta e constrói o primeiro microscópio de interferência. Em 1932, Zernicke inventa o microscópio de contraste de fase . Esses dois tipos de microscópios permitem que células vivas, não-coradas, sejam vistas em detalhe pela primeira vez.
1941 – Coons use anticorpos acoplados a corantes fluorescentes para detectar antígenos celulares.
1952 – Nomarski idealiza e patenteia o sistema de contraste de interferência diferencial para o microscópio óptico, o qual ainda tem o seu nome.
1981 – Allen e Inoué aperfeiçoam o microscópio óptico de contraste com sistema de vídeo avançado.
1988 – Microscópios confocais de varredura comerciais passam a ser amplamente utilizados.

 

©  Carlos Magno Greghi, todos os direitos reservados. O uso para propósitos educacionais é altamente recomendado desde que citados o autor e a fonte.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS