Clique Vestibular

SALA DE ESTUDOS

Quem foi Clarice Lispector

Clarice Lispector fez parte da 3ª geração da poesia moderna – Geração 45

Fonte da imagem : https://medium.com/@cssoaresonline/di%C3%A1logos-imposs%C3%ADveis-com-clarice-lispector-f8e69268b51a

A 3ª geração da poesia moderna – Geração 45 

? A Geração de 45, no contexto da Terceira Fase Modernista (1945-1980), já inclui aspectos pós-modernos. Por isso é também chamada de “Fase Pós-Moderna”, com rupturas entre a primeira e a segunda fase. 

? A ideia inicial difundida pelos Modernistas de 22 sofreu mudanças com o passar do tempo. 

? A Geração de 45 reuniu artistas preocupados em buscar uma nova expressão literária, por meio da experimentação e inovações estéticas, temáticas e linguísticas. ? Representou uma arte mais preocupada com a palavra e com a forma – no caso de João Cabral e Guimarães Rosa – ao mesmo tempo que explorava assuntos essencialmente humanos, como na obra de Clarice. 

? A prosa e a poesia da época foram exploradas de maneira mais intimista, regionalista e urbana. 

Contexto histórico-social (mundo) 

? Fim da Segunda Guerra Mundial (1945); 

? Guerra Fria (Estados Unidos e União Soviética); 

? Criação da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Esta foto de um beijo apaixonado entre um marinheiro e uma enfermeira virou ícone de romantismo através do mundo. A comemoração amorosa na Times Square, em Nova York (EUA), pelo final da 2ª Guerra Mundial. 

A imagem intitulada “The Kiss” foi feita pelo fotógrafo Alfred Eisenstaedt em 14 de agosto de 1945, enquanto ele trabalhava para a revista Life. 

Acontece que a verdadeira história não é tão romântica assim. 

Depois de muita pesquisa, descobriu-se que o homem era George Mendonsa. Na empolgação das comemorações, e com um pouco de álcool no sangue, George agarrou a enfermeira que passava pela rua e a beijou. A enfermeira era Greta Zimer Friedman, que trabalhava em um consultório dentista na época. Como é possível ver a mulher tentando reagir ao beijo:“Eu não o vi a chegar, mas subitamente estava presa num abraço forte”, contou Greta. “O homem era muito forte. Eu não estava beijando ele, ele estava me beijando”. 

Contexto histórico-social (Brasil)

? Fim do Estado Novo de Getúlio Vargas(1945); 

? Getúlio volta ao poder (1951) até o dia em que se suicidou (1954) = Instabilidade política; ? Juscelino Kubitschek (política desenvolvimentista – construção de Brasília – 1960); 

? Mais instabilidade política (… Jânio Quadros, João Goulart, Castelo Branco – 1964…) 

Características gerais

  • Investigação profunda o “eu”;
  • Valorização do espaço interior (angústias e anseios existenciais); 
  • Retomada do regionalismo (sem obrigação política); 
  • Universalização do regional e do particular; 
  • Valorização do uso das palavras; 
  • Experimentação e pesquisa 
  • estética;

Clarice Lispector

Obras de Clarice Lispector

Romance

Perto do Coração Selvagem (1944) 

O Lustre (1946)

A Cidade Sitiada (1949) 

A Maçã no Escuro (1961) 

A Paixão Segundo G.H. (1964) 

Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres (1969) 

Água Viva (1973) 

A Hora da Estrela (1977) 

Um Sopro de Vida (1978)

Contos

Alguns Contos… (1952) 

Feliz Aniversário (1960)

Laços de Família (1960) 

A Legião Estrangeira (1964) 

Felicidade Clandestina (1971) 

A Imitação da Rosa (1973) 

A Via Crucis do Corpo (1974) 

Onde Estivestes de Noite (1974)

Biografia de Clarice Lispector

Clarice Lispector (1920-1977) foi uma escritora e jornalista brasileira, de origem judia, foi reconhecida como uma das mais importantes escritoras do século XX. 

Nasceu em Tchetchelnik, na Ucrânia, no dia 10 de dezembro de 1920. Filha de Pinkouss e Mania, de origem judaica, que chegaram ao Brasil em março de 1926, fugindo do antissemitismo disseminado na Rússia durante a Guerra Civil Russa. 

Fixaram residência em Maceió, Alagoas, onde morava Zaina, irmã de sua mãe. Clarice tinha apenas dois meses de idade. Por iniciativa de seu pai, todos mudaram o nome. Nascida Chaya Lispector, passa a se chamar Clarice.

Em 1929, mudou-se com a família para a cidade do Recife. Aprendeu a ler e escrever muito nova e logo começou a escrever pequenos contos. Estudou inglês e francês e cresceu ouvindo o idioma dos seus pais o iídiche. 

Com 9 anos ficou órfã de mãe. Com 12 anos, Clarice mudou se com a família para o Rio de Janeiro, indo morar no Bairro da Tijuca. 

Em 1941, terminado o segundo grau, Clarice ingressa na Faculdade Nacional de Direito, e emprega-se como redatora da Agência Nacional. 

Em 1943 casa-se com o amigo de turma Maury Gurgel Valente. 

Em 1944, publica o romance Perto do Coração Selvagem, que retrata uma visão interiorizada do mundo da adolescência com ele recebe o prêmio Graça Aranha Em 1944 publica o livro que teve calorosa acolhida da crítica, recebendo o Prêmio Graça Aranha. 

Ainda em 1944, Clarice Lispector acompanha seu marido – diplomata de carreira, em viagens fora do Brasil. Sua primeira viagem foi para Nápoles, na Itália. Com a Europa em guerra, Clarice trabalha como voluntária de assistente de enfermagem no hospital da Força Expedicionária Brasileira. 

Continuou escrevendo, e em 1946 publicou O Lustre. Nesse mesmo ano, passa a residir em Berna, na Suíça. Em 1949 publica A Cidade Sitiada. Nesse mesmo ano, nasce seu primeiro filho, Pedro. Dedica-se a escrever contos e em 1952 publica Alguns Contos.

Passa seis meses na Inglaterra e em seguida vai para os Estados Unidos, onde nasce seu segundo filho, Paulo, em 1953. Em 1954, Perto do Coração é publicado em francês. Em 1959, Clarice se separa do marido e retorna ao Rio de Janeiro, acompanhada de seus filhos.

Trabalha no Jornal Correio da Manhã, assumindo a coluna “Correio Feminino”. Trabalha no Diário da Noite com a coluna “Só Para Mulheres” e nesse mesmo ano lança Laços de Família, livro de contos que recebeu o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro. Em 1961 publica A Maçã no Escuro pelo qual recebe o prêmio de melhor livro do ano em 1962. 

Em 1967, Clarice Lispector sofre várias queimaduras no corpo e na mão direita enquanto dormia com um cigarro aceso. Passou por várias cirurgias e viveu isolada, sempre escrevendo. 

No ano seguinte publica crônicas no Jornal do Brasil. Em 1977 Clarice Lispector escreveu Hora da Estrela, sua última obra publicada em vida, onde conta a história de Macabea, uma moça do interior em busca de sobreviver na cidade grande.

 A versão cinematográfica desse romance, dirigida por Suzana Amaral em 1985, conquistou os maiores prêmios do festival de cinema de Brasília e deu à atriz Marcélia Cartaxo, que fez o papel principal, o troféu Urso de Prata em Berlim em 1986. Clarice Lispector faleceu no Rio de Janeiro, no dia 9 de dezembro de 1977, um dia antes de seu aniversário. Seu corpo foi sepultado no cemitério Israelita do Caju.

 

Por: Professora Hildalene Pínheiro

ÚLTIMAS NOTÍCIAS